Arquivo da categoria: Ciência & Tecnologia

Ideologia ou Tecnologia?

Não é de hoje que sou chamado por alguns de “reacionário”. Dizem por aí que eu “ando somente com a multidão”, mas não garanto que andar sozinho seja realmente a melhor escolha.

Sou um cara fascinado por tecnologia. Gosto de tudo o que é high-tech, high-end, e gosto de Naruto, mas detesto Dragon Ball Z. Sou apaixonado por Ubuntu, mas divido meu tempo entre ele e o Windows 8. Devo escolher um lado? Por acaso isso é tipo Siths e Jedis?

Em dezembro de 2012, após ler os comentários de um certo “bom velhinho”, publiquei um post dizendo o que eu penso sobre liberdade. Sei que alguns usuários Linux que me odeiam com força por eu ser um pouco mais maleável com relação a alguns temas e não escolher apedrejar os outros. Foi assim quando defendi o Mono, quando defendi o Unity e quando defendi o Ubuntu. Quiseram me classificar de “vendido”, “câncer da comunidade” e etcétera. Whatever. O que pensam de mim é problema deles.

Quando digo que gosto de tecnologia, isso inclui a interface amigável do OS X, ou a interface polida e moderna do Microsoft Office frente ao maravilhoso mas horroroso LibreOffice/Open Office. Inclui os avanços significativos em usabilidade que o Ubuntu vem ganhando ao longo dos anos e da boa relação que o Linux Mint vem alcançando com sua comunidade.

Gosto de Software Livre, mas gosto de software bom. Não adianta ser livre e não ter usabilidade. Umas linhas de código pouco importam para quem não sabe o que fazer com elas. Gosto de games, mas eles têm de ter uma arte decente além de um bom enredo. Jogos indie não me chamam a atenção assim, tão facilmente. Gosto de Playstation 3, mas sou fascinado no Kinect e o jogo Dance Central do XBOX 360. Gosto do Android mas sonho mesmo em ter um iPhone 5. Gosto do Linux, mas uso Windows 8 as vezes. Tudo isso me faz um “vira-casaca”? Um “Microsoft Fag”? Não!

Sou profissional de TI e gosto de TI. Gosto de tecnologia e sei que ideologia não enche a barriga de ninguém (a não ser a do Stallman) e no papel de profissional de TI, devo ter um desprendimento que permita adaptar-me facilmente às demandas do mercado, assim como não acho válido um cara que conheça Java, C#, C++, C, Cobol, Erlang, MatLab, Phyton, Basic e  que saiba tudo isso na teoria, mas não seja especialista em nenhuma dessas linguagens. Foco é uma coisa, mente aberta é outra.

Sendo assim, quando escrevo sobre Ubuntu, escrevo sobre o que eu gosto: tecnologia. Quando escrevo sobre Windows, escrevo sobre o que eu gosto: tecnologia e quando eu falo que Stallman é um pé no saco, estou falando de ideologia, que num mundo ideal é lindo, mas se fosse verdade, não seria “um ideal” há tanto tempo.

No final, a verdadeira liberdade é a sua liberdade de mudar de ideia quando necessário.

Ubuntu Edge: O smartphone da Canonical pode virar realidade

Alguns dias atrás mostramos em nossa página do Facebook algumas imagens vazadas do que poderia ser o celular da Canonical, empresa que encabeça juntamente com a comunidade a produção do Ubuntu, uma distribuição Linux muito famosa.

Hoje a empresa anunciou uma campanha de arrecadação de fundos para a produção de seu primeiro smartphone utilizando o Ubuntu Touch em dual-boot com o Android.

Das possibilidades apresentadas para o produto, a mais chamativa é a de utilizar o sistema como um PC de mesa completo, desde que ligado a uma tela externa, um teclado e um mouse.

ui-4

O projeto apresenta uma configuração de aparelho bem robusta. Confira as especificações técnicas abaixo

  • Dual boot Ubuntu mobile OS e Android
  • Desktop Ubuntu completamente funcional quando utilizado no dock
  • CPU multi-core, 4GB RAM, 128GB armazenamento
  • 4.5 polegadas com 1,280 x 720 HD sapphire crystal display
  • Câmera traseira low-light 8mp e camera frontal de 2mp
  • Dual-LTE, dual-band 802.11n Wi-Fi, Bluetooth 4, NFC
  • GPS, acelerômetro, gyro, sensor de proximidade, compasso e barômetro
  • Alto-falantes estéreo com HD audio, gravação em microfone duplo e isolamento de ruídos ativo
  • MHL connector, 3.5mm jack
  • Bateria de ânodo de Sílicio Li-Ion
  • 64 x 9 x 124mm

A campanha é ambiciosa. Mark Shuttleworth espera conseguir chegar aos $ 32 milhões. Os valores de doação começam em $ 20 Obamas, chegando a 830 por aparelho a partir de 24hs após o lançamento da campanha. Quem quiser garantir o seu, deve correr e comprar ainda hoje ou estar entre os 5000 primeiros apoiadores. Para esses, o aparelho sairá por $ 600 Obamas.

A campanha entrou no ar na manhã dessa Segunda-feira e até o momento da finalização dessa postagem, já tinha chegado aos $1,855,567

Quer garantir o seu? Entre em http://www.indiegogo.com/projects/ubuntu-edge e seja um “baker”.

Ubuntu Touch: O que há, o que vem por aí e o que podemos esperar

Em 02 de Janeiro, nossa versão “guru” do “Open Source”, Mark Shuttleworthjobs anunciou o futuro da plataforma Ubuntu em um vídeo de quase 20 minutos (e usando um cinto brega ao quadrado): um sistema operacional voltado para as plataformas móveis, como tablets e smartphones, porém, ele quer ser mais que isso.

screen_sizes_4_devices

O Ubuntu Touch já foi assunto em um passado recente deste blog e tem se tornado cada dia um sistema mais e mais promissor, contando com design elegante, funcionalidades interessantes e, lógico, um pacote de serviços atrelados ao software, como Ubuntu One, para backup e armazenamento em nuvem, e o Ubuntu Software Center, uma Central de compras de aplicativos, jogos, livros, revistas e afins.

Smartphone ou PC?

O Ubuntu Touch foi pensado para substituir um computador. Utilizando um smartphone com uma dock station e conectado a teclado e mouse sem fio (ou USB) e a uma tela, seu smartphone se transforma em um computador completo, oferecendo a mesma experiência do Ubuntu Desktop, com suíte de escritório, programas de edição de imagens, emails, acesso a internet e outros, mas sem perder as funcionalidades de smartphone, como a capacidade de enviar e receber SMS e ligações. Trocando por miúdos, é uma estação de trabalho completa no bolso de sua calça.

Toda essa maravilha tecnológica não vira realidade com pouco processamento. Para que as funcionalidades acima estejam disponíveis, é necessário um smartphone com processador dual-core de, no mínimo 1.2Ghz. e 2GB de memória RAM.

Embora essa funcionalidade tenha sido pensada para ser utilizada no Ubuntu for Android, obviamente esperamos que ela seja transferida para o Touch.

Tablets

Enquanto Apple e Samsung se apunhalam na busca pela liderança do mercado, o Windows Phone vem comendo pelas bordas, mas o grande problema é a falta de carisma que o sistema de Redmond carrega consigo. Enquanto o iOS possui fanáticos e o Android possui usuários que pouco se importam com o passado do Google, o Windows possui um mercado limitadíssimo. Já o Ubuntu não tem fanáticos ou simples “usuários”. Possui “torcedores”. Uma torcida que cresce diariamente e que faz questão de falar de seu sistema.tablet-home-portrait

  tablet-searchtablet-media-player-large

O Ubuntu Touch é um sistema projetado para telas de toque. Com design elegante e uma identidade visual própria, fruto dos anos que o Unity vêm sendo testado nos Desktops, o Ubuntu está recebendo em 2013 um novo servidor gráfico, o Mir, que irá substituir de vez o X.org, que vem sendo utilizado há mais de 20 anos e já não suporta tantas funcionalidades sem algumas “gambiarras”. O Mir está sendo projetado para atender às necessidades dos usuários e aos projetos relacionados ao Ubuntu Touch e ao Ubuntu Desktop.

Quando?

A previsão é que o sistema esteja disponível para o mercado consumidor até o final de 2013, mas é muito mais provável que seja mesmo em 2014 que o sistema irá chegar aos aparelhos mundo afora. Já de cara, o Ubuntu Touch irá competir com o Firefox OS pela quarta posição, sendo assim, não vamos cantar vitória antes do tempo e aguardar as novidades.

Operadores da Austrália, Indonésia e China já fazem parte do Ubuntu CAG (Carrier Advisory Group).

Playstation 4 será 100 dólares mais barato e 1000 vezes mais divertido que XBOX One

Na noite de 09/06, a Sony anunciou em sua conferência na E3 os detalhes que tanto queríamos saber sobre o Playstation 4, incluindo serviços de streaming de músicas e vídeos, parceria com a Sony Pictures, séries exclusivas, e claro, GAMES!

Entre os games exclusivos anunciados, como The Order – 1886, Killzone – Shadow Fall e inFamous: Second Son, games de outras empresas também fizeram sucesso, como Dark Sorcerer, Transistor (da mesma criadora de Bastion – Supergiant) e os sucessos já garantidos da Ubisoft – Assassins Creed: Black Flag e o aguardadíssimo Watch Dogs.

Infamous - Second Son parece realmente divertido
Infamous – Second Son parece realmente divertido

A Square Enix também apresentou seu Final Fantasy versus XIII., Final Fantasy XV e Kingdom Hearts 3, já a Activision mostrou quase dez minutos de gameplay de “Destiny”, um game FPS que lembra em alguns detalhes um famoso jogo para Linux.

Playstation 4 apresenta um design retrô, que lembra um pouco o PS2
Playstation 4 apresenta um design retrô, que lembra um pouco o PS2

A Sony foi esperta mais uma vez e aproveitou para anunciar que os donos de Playstation 4 poderão revender, trocar, emprestar ou usarem para sempre seus jogos SEM NENHUM CUSTO ADICIONAL! (Chupa Microsoft!).

games

Outro detalhe: Não será necessário realizar “check-in online” diariamente com o console. Quer jogar offline? O direito é seu! Quer jogar online? Aproveite e desfrute da melhor rede de games do mundo!

Com esses detalhes no anúncio, a Sony fez questão de deixar claro que não está para brincadeira e sabe exatamente qual é o papel do Playstation no mercado.

A cereja do bolo (e o tapa de luva na concorrência) foi o anúncio do preço. Enquanto o XBOX One será vendido no lançamento por $ 499 Obamas, o Playstation 4 será vendido por $ 399 dólares.

Sentimos falta de um “Kinect-Like”, mas sabemos qual é o foco da Sony e vamos aguardar mais novidades.

Ciência Nerd 3: Conversão números fracionários/binário e binários/fracionários

conversao_chamada3

De volta para a mais mais legal e simpática das conversões decimal/binário: converter números fracionários, ou seja, aqueles separados por vírgulas.

É claro que, nesse caso, o buraco é mais em baixo e eu indico muito que, caso você nunca tenha feito nada com binários, leia o primeiro artigo do Ciência Nerd.

Conversão Decimal x Binário

Primeiro, vamos aprender a fazer a conversão decimal->binário.

O processo é bem simples e trabalharemos com um número pequeno. 8,7. Consiste em converter primeiramente a parte inteira do número para binário.

bits6

Pronto! Temos metade do trabalho feito. Agora vamos nos focar apenas na parte fracionária. Para isso, vamos sempre multiplicá-la por 2, extrair a parte inteira (à esquerda) dessa multiplicação e separá-la. A parte separada será exatamente a parte fracionária dos números binários. Confira:

bits9

Conversão Binário x Decimal

Assim como fazemos na conversão binário->decimal, será necessário fazer uma indexação dos binários da direita para a esquerda, começando do zero, mas vamos trabalhar com números reais também, então, números abaixo de zero serão indexados com -1, -2, -3…..

Nossa conversão utilizará 4 bits de precisão, então, chegaremos próximo ao número 8,7. Veja como é feito:

bits8

Finalmente, somando os números, teremos então o seguinte resultado:

bits10

Pronto! Poderemos “arredondar” para cima a fim de obter o número 8,7.

Espero que tenham gostado das formas de lidar com números binários!
Vamos dar um tempinho no Ciência Nerd, mas nos próximos episódios, traremos a conversão decimal -> octal e octal -> binário, binário -> octal.

Um super abraço!

Ciência Nerd 2: Conversão decimal real/binário

conversao_chamada2

Como prometido no primeiro post da série Ciência Nerd, estou aqui para tratar da conversão de números reais de base 10 para binário e de binário para base 10.

Relembrando os números reais:

Números reais são diferentes dos números naturais por considerar números menores que zero.

reais

- Então, tio, pra representar os binários negativos eu posso colocar um “menos” na frente?
– Hmmmm….não! Vamos tratar isso de uma forma mais “binária”.

Existem três formas de representar um número binário negativo, mas antes vamos aprender uma nova nomenclatura. Vamos chamar os números de bits.

Um bit é um numero, 0 ou 1. Um conjunto de oito bits formam 1 Byte.

bits

Sinal Magnitude

E a primeira forma de representar um número negativo em binário, é utilizando o sinal magnitude.
Um sinal magnitude funciona da seguinte maneira:

Dado um número “x” real, utilizando “n” bits, como podemos, representá-lo em binário?
O sinal magnitude é um bit, 0 ou 1 posicionado mais à esquerda dos bits – ou melhor, no bit mais significativo – onde 0 (zero) irá representar um número positivo e 1 (um) um número negativo.

Confuso, não? Não! Tente pensar nos bits como números aparecendo em telas. Se a tela estiver desligada, o bit será 0. Se a tela estiver ligada, o bit será 1. Outra forma legal de se comparar é tendo em mente que utilizamos o sinal ( – ) para representar números negativos, mas não precisamos usar sinal ( + ) para representar números positivos, então, para que ligar o bit mais significativo também para representar números positivos?

Antes de representar qualquer número negativo em binário, devemos representá-lo em positivo. Isso serve para todos os métodos apresentados nesse artigo. Então, sendo assim, em uma sequência de oito bits (um Byte), como seria o número 42 e o -42?

bits2

Assim, o 1 no bit mais significativo (à esquerda), transformará o número em negativo, e o 0 (zero) irá mantê-lo positivo.

Complemento de 1

O complemento de um é legal. Ainda mais se você gosta de mudar as coisas de lugar sempre.
O objetivo do complemento de 1 é inverter os bits, desligando os bits que estão ligados e desligando os bits que estão ligados, mas, claro, apenas para representar números negativos.
Confira como fica.

bits3

Simples, né? Mas, como nem tudo é perfeito, esses dois métodos são pouco ou quase nada utilizados.
Os computadores usam na maioria dos programas o complemento de 2.

Complemento de 2

O complemento de 2 é o processo similar ao complemento de 1, mas tem o “vai 1″.
– Como assim, Bial?

Vamos lá!
Para realizar a conversão de um número positivo para um número negativo em complemento de 2, devemos primeiro realizar o complemento de 1. O diferencial do complemento de 2 é a adição do número 1 no bit mais à direita, porém, se somar 1 + 1 vai dar 2. Chegamos a um impasse.

Vamos voltar ao decimal e entender como funciona.

comp-decimal-binario

Como não temos um algarismo maior do que o 9, quando passamos de 9, colocamos o dígito 1 para frente e trazemos o zero para a posição do nove. Depois, fazemos com o próximo dígito e assim sucessivamente. A mesma coisa acontece com o binário. Por exemplo, o 2. Zeramos o número à direita e trazemos 1 para frente dele.

No caso do “vai 1″, não temos “2” em binário (nem mesmo dizemos “dois”. Dizemos “um – zero”), assim, na hora de somar o bit adicional, se der mais que 1, zeramos o resultado e fazemos o “vai 1″ para o próximo bit à esquerda. Quando não tiver mais “vai 1″, basta repetir os números da sequência.

bits4

Bem, espero que eu tenha alcançado o objetivo de ser claro e…objetivo.
O próximo artigo ensinará a representar números fracionários em binário.

Abração, Geeks, e até a próxima!

Ciência Nerd 1: Conversão decimal/binário e binário/decimal

conversao_chamada

Musiquinha indicada para ouvir enquanto lê esse artigo:

http://www.youtube.com/watch?v=LU9deI7Czy8

Números estão presentes em nossa vida o tempo todo. Altura, Peso, Massa, Velocidade, Distância, Litros, Valor, Hertz, mas ainda assim, conseguimos expressar muita coisa sem eles. Mas e um computador?

Caro Geek, se você não sabe como um computador entende qualquer tipo de informação, você, obviamente, é um Geek iniciante, e esse post vai abordar esse tema mais polêmico que mamilos.

Se você está iniciando em um curso de Sistemas de Informação, Análise de Sistemas ou Ciências da Computação, esse artigo é recomendadíssimo pra você, e vou simplificá-lo da melhor maneira possível.

Primeiramente, temos de entender a nossa forma de entender os números.
E tempos imemoriais (sim, não tenho memória deles), o homem aprendeu a contar com os dedos da mão. Como qualquer homem que tenha todos os membros em seus devidos lugares e não lhe sobra nenhum na mão, foi fácil chegar ao número 10, mas chegamos ao dez porque sempre ignoramos o zero, e começar a contar os dedos do zero não faz sentido mesmo. Daí, a base mais comum para nós é a base 10, de 0 a 9, e assim, evoluímos (menos quem faz quadradinho de 8).

Computadores conhecem apenas dois números: 0 e 1. Assim, 0 para o computador é 0, 1 é 1, 2 é 10, 3 é 11 e 10 é 1010. Você já deve ter ouvido falar disso, mas pode não ter entendido como representar o número 69 (ui) apenas com 0’s e 1’s.
Bem, se computadores entendem apenas 0 e 1, então sua base é binária, então, para se chegar a uma representação binária de um número decimal qualquer, basta dividi-lo por 2, até que não se consiga mais dividir.

divisao

Repare que dividindo por 2, sempre teremos como resto os números 0 ou 1.
Opa! Tô quase entendendo, Bial! Quer dizer que esses números que são o resto, na verdade, é a representação em base 2 – ou binária – do número 69, né?
Calma, jovem Padawan. Se você mantiver a ordem da divisão, as coisas não serão exatamente dessa maneira. Então, comofas?
Você deverá ordenar o resto das divisões na ordem inversa que fez as divisões – de trás para frente. Observe a cor do círculo em torno do resto de cada divisão e da ordenação correta.

divisao2

Assim, (69)10 é exatamente (1000101)2.

Legal, né? Mas e como fazer o processo inverso, ou seja, converter um número binário para decimal?
Vamos lá! Primeiro, a gente deve ter em mente que um número binário está na base 2, e isso será primordial para entender a lógica da coisa, pois vamos precisar de utilizar matemática. Mais especificamente, potências de base 2.

Para converter um número binário para número decimal, devemos primeiro indexar os números binários de trás para frente, começando do zero. Veja:

binario_indice1

Os índices servirão de expoentes para a base, que serão multiplicados pelos binários, mas antes, lembre-se que não se multiplica nada por zero, pois sempre vai dar…zero, então, não precisa nem perguntar o porquê de eu não fazer com os zeros. Confira:

conversao_binario-decimal

- Mas tio, não tem como fazer isso de maneira mais fácil?
-Claro! Por que não perguntou antes?

Ao invés de utilizarmos os índices do exemplo acima, vamos utilizar os índices da seguinte maneira: vamos sempre multiplicar por 2, conforme mostra a imagem a seguir:

conversao_binario-decimal-2

Daí, corta-se os zeros e soma-se os índices.

conversao_binario-decimal-3

Wooooooow! Easy as pie, hein?

Bem, agora que você já sabe como fazer essa conversão legal, se prepare para a próxima aula, onde ensinarei como representar números reais (negativos e positivos) em binário.

Até a próxima, Geeks!

Diolinux OS: Um remix do Ubuntu como o Ubuntu deveria ser

Sério, existem cantores covers que cantam algumas canções melhores do que os cantores originais (ouvi alguém dizer “Boyce Avenue”?), assim como existem distros Linux que conseguem superar suas distro-base, e esse é o caso do Diolinux OS, produto do nosso blog parceirásso.

Primeiro de tudo: O Diolinux OS é baseado no Ubuntu 13.04, trazendo assim o que há de mais novo no desktop do sistema canônico. O sistema vem com um tema de cores diferente, mas isso nem é relevante. O relevante mesmo é o fato dele trazer como padrão o Audacious, o VLC Player (o melhor) e o Clementine, um player de música baseado no Amarok do KDE 3.x. e pacotes de codecs.

Captura-de-tela-de-2013-05-05-215047

Para quem gosta de desenho (assim como este nobre blogueiro), Inkscape. Para quem coda, Oracle Java, para quem edita vídeos, OpenShot, para quem gosta de tratar imagens, GIMP.

Alguns recursos entraram de forma exagerada, como o MyUnity, Ubuntu Tweak e o desnecessário Compiz Config Settings Manager (que deveria realmente ser mantido longe de qualquer arrastador de mouse), mas com alguns cliques na Central de Programas esses “add-ons” podem ser removidos.

O Diolinux OS traz ainda o botão “D”, criado por Kadu, esse blogueiro que vos escreve.

Diolinux

Aproveite que o fim de semana vem aí, separe um tempinho e uma VM e teste-o. Se gostar, substitua a instalação oficial pelo Diolinux OS e comece inicialize o sistema da forma como ele deveria ser.

Baixe agora o Diolinux OS:

Novidades da próxima versão do Ubuntu

O Ubuntu continua com o lançamento de duas versões por ano. A última versão, o Ubuntu 12.10, embora tenha integrado uma versão mais recente da GTK e trazido a novidade dos webApps, não trouxe estabilidade suficiente que fizesse este pobre autor migrar, já a alardeada versão 13.04, embora ainda em versão beta, tem se mostrado bastante estável para um beta, já que a nova abordagem da Canonical com o Ubuntu é “qualidade diária”.

Instalei a versão ainda em desenvolvimento durante o final de semana e fiquei espantado com a qualidade, beleza e estabilidade da mesma, salvo alguns detalhes, como o Apport, que algumas vezes aparece para lembrar que esta versão ainda carece de cuidados, ou o fato driver de áudio não funcionar com o microfone interno do meu Dell.

Compilei então algumas novidades com imagens e vou mostrar para quem não está acompanhando pelos veículos especializados em Ubuntu o que esta versão traz de novidades.

A primeira coisa notada ao se inicializar o sistema e entrar em sua área de trabalho são os novos ícones do BFB (a bolinha com o logo do Ubuntu que dá acesso ao Painel), do “Arquivos”, o gerenciador de arquivos anteriormente conhecido por “Nautilus”, a Central de Programas e o polêmico-novo-ícone do “Updater”, ou “atualizador”.

Novos ícones no Ubuntu
Novos ícones no Ubuntu

O painel – ou Dashboard (Dash para os mais íntimos) – recebeu melhorias consideráveis de velocidade. Ele traz a polêmica função de buscar na loja da Amazon resultados enquanto você pesquisa documentos ou programas em seu computador a fim de alcançar algum financiamento para o projeto e ainda te ajudar a encontrar itens de seu interesse, como músicas e filmes online. Claro, essa função pode ser desativada.

O painel agora faz buscas em lojas online
O painel agora faz buscas em lojas online

Uma função legal na nova Dash é a opção de visualização de informações sobre o programa ou arquivo com o clique do botão direito do mouse, ou a pré-visualização (ou seria “pré-audição”?) de arquivos de música – seja local ou online (no caso de resultado de buscas em lojas online).

Preview de música direito no dash - repare o progresso na última faixa
Preview de música direito no dash – repare o progresso na última faixa

 As setas à esquerda e direita do item permitem avançar ou retroceder aos itens próximos.

Outra novidade legal está também no Lançador. Quando houver mais de uma instância (ou simplificando, “janela”) de um mesmo aplicativo aberta, é possível alternar entre elas clicando-se com o botão direito do mouse e selecionando a opção desejada entre as opções que aparecem na quicklist do ícone da mesma. Também é possível alternar girando o botão scroll do mouse sobre o ícone da aplicação.

Troque entre janelas de um mesmo programa com o botão direito do mouse
Troque entre janelas de um mesmo programa com o botão direito do mouse

 O “Files”, nome mais bonito para o aportuguesado “Arquivos” e substituto para “Nautilus” recebeu melhorias visuais. Ícones mais simples e ainda assim mais bonitos – os chamados “ícones monochrome” – estão na lateral esquerda. Os botões estão mais arredondados, o menu de aplicação deu lugar para um minimalista botão localizado à direita da janela e enfim, o gerenciador de arquivos recebeu um visual mais “clean“.

Files, o gerenciador de arquivos, está mais bonito
Files, o gerenciador de arquivos, está mais bonito

O gerenciador de atualizações recebeu um cuidado especial, exibindo apenas informações relevantes e deixando de lado todas aquelas informações adicionais que nada serviam para um usuário leigo na hora de atualizar o sistema.

O Gerenciador de Atualizações está mais enxuto
O Gerenciador de Atualizações está mais enxuto

Outra novidade bem-vinda é a nova tela de desligamento/reinicialização | bloqueio do sistema/encerrar sessão quando dentro do ambiente Unity. Uma translúcida tela exibe botões ícones no estilo monochrome.

Tela de bloqueio
Tela de bloqueio
Tela de desligamento
Tela de desligamento

Na parte de customização, o sistema incluiu a possibilidade de desativar as workspaces e a opção de exibição do ícone “Mostrar área de trabalho” no lançador. Estas opções estão disponíveis em Configurações de sistema > Aparência > Comportamento.

Remova as workspaces ou ative o ícone de exibição da área de trabalho no Lançador
Remova as workspaces ou ative o ícone de exibição da área de trabalho no Lançador

Sob o capô, uma novidade bem-vinda é o kernel Linux 3.8, trazendo suporte para novos dispositivos, uma nova versão (7.0) melhorada, mais rápida e estável do plugin Unity, inicialização mais rápida e a possibilidade de autenticação em máquina remota pela tela de login.

Existem outras novidades não citadas neste artigo, algumas podem ser removidas sem aviso prévio até o lançamento por se tratar de uma versão ainda em desenvolvimento, e outras podem ser inclusas. O Ubuntu 13.04 será lançado no dia 26 de Abril, uma sexta feira.

PlayStation 4: tudo que você precisa saber

Esse artigo é um oferecimento da equipe do Magazine Luiza ao Orgulho Geek.

As especulações acerca do PlayStation 4 começaram desde o lançamento do PlayStation 3, em 2007. Agora que a estreia do novo console da Sony está mais próximo do que nunca, algumas informações começaram aparecer e os fãs passaram a fazer suas apostas.

De acordo com os comunicados realizados, o PS 4 contará com 8GB de memória Ram, leitor de Blu-Ray, sensor de movimentos embutido no controle, sensor touchscreen e a grande novidade do eletrônico, o botão “share”, que irá possibilitar aos usuários compartilhar conteúdo em tempo real com os amigos que estiverem disponíveis.

Deep Down, um dos games do próximo console da Sony
Deep Down, um dos games do próximo console da Sony

 

Já foram anunciados também alguns jogos exclusivos do console, como InFamous Second Son, Drive Club, The Witness, Deep Down, Destiny e Killzone Shadow Fall. Alguns games multiplataforma foram igualmente confirmados para o PlayStation 4, como Watch Dogs e Diablo 3 (que tem estreia prevista para PlayStation 3 em breve).

 

O joystick para PS4 sofreu mudanças notáveis e aparentemente inovadoras
O joystick para PS4 sofreu mudanças notáveis e aparentemente inovadoras

 No entanto, o que o PlayStation 4 promete de verdade são os gráficos nunca imaginados até o momento. Um game que está para ser lançado este ano, Beyond: Two Souls, thriller ultra-realista para PS3, poderá ter suas possibilidades ampliadas graças às novas funções do PS4. Por exemplo, controle das expressões faciais dos personagens, tornando a experiência do game ainda mais inacreditável.

O medo dos consumidores em relação ao PS4, entretanto, é o preço. Nos Estados Unidos e Japão, os valores não se mostram tão altos quanto no Brasil, devido ao peso da moeda de cada país. Mas, de acordo com todas as novidades anunciadas recentemente, vai sim valer à pena economizar para adquirir o console em seu lançamento e aproveitar todas as novidades e vantagens que a Sony irá disponibilizar.

Vem aí o Ubuntu Day em SP

A Comunidade Ubuntu-BR e o LoCo Team Ubuntu-BR-SP convidam a todos para o 1º Ubuntu Day São Paulo.

uday_980

O Ubuntu Day é um evento oficial da Comunidade Ubuntu Brasil, que nasceu na ideia se criar um ambiente de troca de informações e experiências entre as diversas áreas da Tecnologia da Informação que desenvolvem, colaboram, difundem, treinam e utilizam o Ubuntu como ambiente operacional, apresentando assim ao usuário final a gama de possibilidades de uso do ecossistema Ubuntu. A Comunidade Ubuntu-BR também se orgulha de estar participando deste evento a Comunidade Fedora Brasil como convidada especial.

Segue abaixo a lista de palestrantes do Ubuntu Day São Paulo:

O evento, que é totalmente gratuito, será realizado na sede social do Sport Club Corinthians, na Rua São Jorge, Nº 777, Tatuapé – São Paulo, das 09 às 17h. Porém é preciso se inscrever para participar, tendo em vista as limitações de vaga impostas pelo local.

Para isso acesso o site oficial do evento ubuntubrsp.com/ubuntuday e realize sua inscrição agora mesmo! Aproveite também para adquirir uma das camisetas oficias do Ubuntu Day aqui.

Se inscreva, participe e ajude-nos a divulgar o Ubuntu Day colocando a hastag #UbuntuDaySP em suas mensagens no Twitter. E se você representa alguma empresa ou instituição e gostaria de nos patrocinar, por favor acesse nosso midia kit aqui.

Esperamos vocês lá!

Aprenda a Programar em Dez Anos

Certo dia um amigo meu compartilhou um texto comigo, esse texto me fez realmente refletir sobre diversos pontos da minha carreira. Depois de um longo tempo perdido entre os meus favoritos, encontrei o texto novamente e venho agora compartilha-lo com vocês.

O texto abaixo foi traduzido por Augusto Radtke e é de autoria de Peter Norvig. Publicado originalmente em: www.pihisall.wordpress.com

Porque todo mundo tem tanta pressa?

Entre em qualquer livraria, você vai ver Aprenda Java em 7 dias assim como diversas variações oferecendo lições de Visual Basic, Windows, Internet e por ai vai, em dias ou horas. Eu fiz a seguinte pesquisa na Amazon.compubdate: after 1992 and title: days and(title: learn or title: teach yourself) e encontrei 248 entradas. As primeiras 78 eram livros sobre computadores (número 79 era LearnBengali in 30 days). Troquei “dias” por “horas” e encontrei resultados incrivelmente similares: 253 livros, 77 de computadores, seguidos de Teach Yourself Grammar and Style in 24 Hours no número 78. Do total de 200, 96% eram livros de computadores.

A conclusão é que ou as pessoas estão com muita pressa de aprender sobre computadores, ou computadores são extremamente fáceis de aprender do que qualquer outra coisa. Não há livros de como aprender Beethoven, ou Física Quântica ou até adestramento de cães em alguns dias.

Vamos analisar o que um título como Learn Pascal in Three Days
pode significar:

  • Aprenda: Em três dias você não terá tempo de escrever programas significantes, e aprender com seu sucesso ou fracasso. Você não terá tempo para trabalhar com um programador experiente e entender o que é conviver neste ambiente. Em resumo, você não terá tempo para aprender muito. Logo eles só podem estar falando a respeito de entendimento supercial, como disse Alexander Pope, aprender pouco é uma coisa perigosa.
  • Pascal: Em três dias você deve ser capaz de aprender a sintaxe do Pascal (isso se você já conhece uma linguagem similar), mas não vai aprender muito sobre como utilizar essa sintaxe. Em resumo, se você era, vamos dizer, um programador Basic, você pode aprender a escrever programas no estilo Basic usando a sintaxe do Pascal mas não aprender em que o Pascal é bom (ou ruim). Então, qual o ponto? Alan Perlis disse certa vez: “Uma linguagem que não afeta a maneira que você pensa sobre programação, não vela a pena ser aprendida”. Um ponto é se você precisar aprender um pouco de Pascal (ou algo como Visual Basic ou Javascript) porque você precisa interagir com alguma ferramenta existente para uma tarefa específica. Mas nesse caso você não esta aprendendo a programar, você está aprendendo a como resolver essa tarefa.
  • em três dias: Infelizmente, não é suficiente, como veremos a seguir.

Aprenda a Programar em Dez Anos.

Pesquisadores (HayesBloom) tem demonstrado que leva em torno de dez anos para desenvolver perícia em qualquer de uma variedade de áreas, includindo jogar xadrez, compor músicas, pintar, tocar piano, nadar, jogar tênis e pesquisar neuropsicologia ou topologia. Aparentemente não há atalhos: até Mozart, que foi um prodígio musical aos 4 anos levou mais 13 antes de compor música de primeira classe. De outra forma, ou Beatles parecem ter disparado nas paradas em primeiro lugar com a aparição no show do Ed Sullivan em 1964. Mas eles estavam tocando em pequenos clubes em Liverpool e Hamburgo desde 1957, e mesmo que eles conseguiram uma aparição em masa, o primeiro grande sucesso mesmo, Sgt. Peppers, foi lançado em 1967. Samuel Johnson pensa que pode levar mais do que dez anos: “Excelência em qualquer departamento pode ser alcançada apenas com o trabalho de uma vida toda; não é possível compra-lá por menos.” E Chaucer reclamou: “vida tão curta, leva tantu pra aprender.” Sim, é “tantu”, e não “tanto”, um dia você entende.

Então aqui vai minha receita para sucesso na programação:

  • Aprenda inglês. Leia o original deste texto. Essa tradução só está aqui para exercitar o meu inglês, não o seu(Nota do tradutor)
  • Se interesse por programação, e faça porque é legal. Tenha certeza que isso continue a ser legal para você dedicar dez anos nisso.
  • Converse com outros programadores; leia outros programas. Isso é mais importante do que qualquer livro ou curso de treinamento.
  • Programe. O melhor tipo de aprendizado é aprender fazendo.
    Colocando de uma forma mais técnica, “o nível máximo de performace individual em um domínio é não é alcançado automaticamente em função de uma experiência extendida, mas sim aumentado mesmo por indivíduos extramente experientes por um esforço deliberativo de melhorar.” (p. 366) e “o aprendizado mais efetivo requer uma tarefa bem definida com uma dificuldade apropriada para o indivíduo em particular, dado que exista um retorno sobre a experiência e oportunidades de repetição e correções de erros.” (p. 20-21) do livro 
    Cognition in Practice: Mind, Mathematics, and Culture in Everyday Life
    , que é uma referência interessante deste ponto de vista.
  • Se você quiser, gaste quatro anos em uma universidade (ou mais em uma pós-graduação). Isso lhe dará acesso a alguns empregos que requerem alguma formação e um grande entendimento do campo de trabalho, mas se você não gosta muito de ir para escolha, você pode (com alguma dedicação) conseguir alguma experiência similiar sobre esse tipo de trabalho. Em qualquer caso, apenas ler livros não será suficiente.
    “Educação em ciências da computação não faz de ninguém um gênio em programação tanto quanto estudar pincéis e pigmentos não fazem um bom pintor.” diz Eric Raymond, autor de The New Hacker’s Dictionary. Um dos melhores programadores que eu já contratei tinha apenas o segundo grau, e ele produziu vários softwaresincríveis, tem seu próprio grupo de discussão,
    e fez dinheiro suficiente em ações para comprar seu próprio clube nortuno.
  • Trabalhe em projetos com outros programadores. Seja o melhor programador em alguns projetos, seja o pior em outros. Quando você é o melhor você testa suas habilidades para liderar um projeto, e para inspirar outros com a sua visão. Quando você é o pior aprende o que os mestres ensinam e o que não gostam de fazer (porque eles fazem você fazer por eles).
  • Trabalhe em projetos após outros programadores. Esteja envolvido em entender um programa
    escrito por outro. Veja o que é preciso para entender e consertar quando o programador original não esta por perto. Pense em como desenvolver seus programas para que seja fácil para quem for mante-lós após você.
  • Aprenda pelo menos meia dúzia de linguagens de programação. Includa na lista uma linguagem orientada a objetos (como Java ou C++), uma que seja de abstração funcional (como Lisp ou ML), uma que suporte abstração sintática (como Lisp), uma que suporte especificação declarativa (como Prolog ou C++ com templates), uma que suporte co-rotinas (como Icon ou Scheme), e uma que suporte paralelismo (como Sisal).
  • Lembre-se que há um “computador” em “ciência da computação”. Saiba quanto tempo leva para o seu computador computar uma instrução, carregar uma palavra ad memória (com e sem cache), ler palavras consecutivas do disco rígido, procurar por uma nova posição no disco.(As respostas estãoaqui.)
  • Se envolva no esforço de padronização de uma linguagem. Pode ser o comite ANSI C++, ou na padronização de programação na sua empresa, se utilizaram identação com 2 ou 4 espaços. Em qualquer caso, você aprende o que outras pessoas gostam em uma linguagem, o quanto eles gostam e talvez um pouco do porque eles gostam.
  • Tenha o bom senso de cair fora desse processo de padronização tão rápido quanto possível.

Com tudo isso em mente, é questionável o quão longe você pode ir apenas lendo livros. Antes que do meu primeiro filho nascer eu li todos os livros de Como Fazer e ainda me sentia como um novato. Trinta meses depois, quando nasceu meu segundo filho, voltei aos livros para relembra? Não, ao invés disso resolvi utilizar minha experiência pessoal do primeiro filho, que se tornou muito mais útil do que milhares de páginas escritas por especialistas.

Fred Brooks, em seu trabalho No Silver Bullets identificou um plano em três partes para encontrar grandes projetistas de software:

  1. Sistematicamente identifique os melhores projetistas o quanto antes.
  2. Atribua um orientador de carreira responsável pelo desenvolvimento cuidadosamente de um plano de carreira
  3. Promova oportunidades para desenvolvedores em aprendizado interagir e estimular uns aos outros.

Isto assumo que algumas pessoas já possuem as qualidades necessárias para ser um grande desenvolvedor de software; o grande trabalho é apenas coloca-los no caminho correto. AlanPerlis coloca de forma mais sucinta: “Qualquer um pode ser ensinado a esculpir: Michelangelo poderia ser ensinado a não esculpir. É o mesmo com grandes programadores”.

Então vá em frente e compre aquele livro de Java; provavelmente você terá algum uso dele. Mas isso não vai mudar a sua vida, ou o seu conhecimento como um programador em 24 horas, dias, ou meses.


Referências

Bloom, Benjamin (ed.) Developing Talent in Young People, Ballantine, 1985.

Brooks, Fred, No Silver Bullets, IEEE Computer, vol. 20, no. 4, 1987, p. 10-19.

Hayes, John R., Complete Problem Solver Lawrence Erlbaum, 1989.

Lave, Jean, Cognition in Practice: Mind, Mathematics, and Culture in Everyday Life, Cambridge University Press, 1988.


Respostas

O tempo aproximado de execução de várias operações num PC típico de 1Ghz no verão de 2001:

executar uma instrução simples 1 nseg = (1/1,000,000,000) seg
extrair uma palavra da memória L1 2 nseg
extrair uma palavra da memória RAM 10 nsec
extrair uma palavra consecutivamente do disco rígido 200 nseg
extrair uma palavra de uma nova posição o disco (busca) 8,000,000nseg = 8mseg

Apêndice: Escolha de Linguagem

Muitas pessoas tem me perguntado sobre qual linguagem devem aprender primeiro.
Não há resposta, mas considere estes pontos:

  • Use os seus amigos. Quando me perguntam “que sistema operacioal devo usar, Windows, Unix ou Mac?” minha resposta geralmenet é: “use o que seus amigos usarem”. A vantagem é que você poder aprender com os seus amigos vence qualquer diferença entre sistemas operacionais ou linguagens. Considere também seus futuros amigos: a comunidade de programadores que você fará parte se continuar. A sua escolha possuia uma grande comunidade de usuários ou apenas uma comunidade morta? Existem livros, sites e fórums para encontrar respostas? Você gosta das pessoas desses fórums?
  • Mantenha-se simples. Linguagens como C++ ou Java são desenvolvidas para utilização profissional por um grande time de desenvolvedores experientes que estão preocupados com a eficiência de execução de seus códigos. Como resultado, essas linguagens possuem partes complicadas desenvolvidas para essas circunstâncias. Você esta focado em aprender a programar, não precisa dessa preocupação. Você precisa de uma linguagem que foi desenvolvida para ser fácil de aprender e lembrar.
  • Interaja. Como normalmente você aprenderia piano: de modo interativo, no qual você escuta uma nota logo que pressiona uma tecla ou de um modo automizado em que você escuta cada nota quando a música termina de tocar? Claramente, aprender interativamente é muito mais fácil, e assim é com a programação. Insista em uma linguagem com um modo interativo e use-o.

Baseado nesses critérios, minhas recomendações para uma primeira linguagem seriaPython ou Scheme. Mas as suas circunstâncias podem variar, e existem
outras boas opções. Se a sua idade ainda tiver apenas um dígito, é melhor escolherAlice ou Squeak (aprendizes mais velhos podem gostar também). O importante é você escolher e começar.


Apêndice: Livros e outros recursos

Muitas pessoas me perguntam em quais livros e páginas elas devem aprender. Eu repito que “apenas ler livros não é suficiente” mas eu posso recomendar o seguinte:


Notas

T. Capey informa que a página de Complete Problem Solver na Amazon agora possui “Teach Yourself Bengali in 21 days” e “Teach Yourself Grammar and Style” na lista de livros que “Consumidores que compram esse item também costuma comprar estes”.
Eu imagino que um grande parte das pessoas que visualizam esse livro vem dessa página.

 

Post escrito por Thiago Majesk