Arquivo da tag: Tutoriais

Introdução à fotografia – Parte 1: sensores

Toda câmera fotográfica digital possui um sensor. Inclusive seu celular de última geração, ou seu velho Nokia N75 possui um sensor para captar a luz.

Assim como os olhos humanos, os sensores das câmeras digitais são sensíveis à luz. Eles captam a luz que é emitida pelos objetos, assim como suas variações e sua frequência.

Sensor de uma câmera DSLR
Sensor de uma câmera DSLR

Os sensores das câmeras digitais são análogos aos antigos filmes que os fotógrafos usavam. Naquela época, os filmes (que eram de 12, 24 ou 36 frames, também conhecidos por “poses”) ficavam na escuridão do interior da câmera e na hora de fotografar, eles eram “expostos” e a imagem ficava gravada no filme. Uma vez usado um quadro, não era possível sobrescrevê-lo. Tampouco era possível ver uma foto logo após capturá-la. Era necessário antes de tudo revelar o filme através de processos químicos e ampliá-lo para o papel.

Um rolo de filme analógico
Um rolo de filme analógico

Tratando de câmeras digitais, os filmes foram substituídos por um sensor digital. Este sensor, assim como o filme, captam a luz, processadores internos das câmeras processam a imagem e gravam em forma de arquivos e possuem a vantagem de não limitar a quantidade de “poses” e permitir visualizar a imagem logo após sua captura.

As câmeras digitais mais populares entre os amantes da fotografia são as DSLR’s – sigla que em inglês é Digital Single Lens Reflex, ou “Digital Reflexiva de Lente Única”. Dentro desta categoria de câmera, atualmente existem dois tipos de sensores: sensores FullFrame (o sonho de fotógrafos iniciantes), também conhecidos como FX, e sensores APS-C (existem variações, sendo APS-P e APS-H) Crop, ou DX.

Sensores FX possuem tamanho de 24x36mm, tamanho similar ao de um frame dos antigos filmes fotográficos.
Sensores DX possuem tamanho aproximado de 16x24mm.

Comparação dos sensores FX e DX
Comparação dos sensores FX e DX

Celulares, câmeras digitais compactas e câmeras digitais não-DSLR possuem sensores ainda menores que os APS-C.

O que diferencia um sensor do outro é a grosso modo “a quantidade de luz” possível de ser capturada. Quanto maior o sensor, mais luz ele será capaz de captar.

Fazendo uma comparação, imagine uma área de 24x36mt repleta de copos do mesmo tamanho recebendo água da chuva. Agora imagine um uma área de 16x12mt também repleta de copos do mesmo tamanho. Não é preciso ser gênio para saber que a área maior irá capturar mais água. Da mesma forma é um sensor fotográfico em relação à luz.

Futuramente, iremos falar de outra importante consequência do uso dos sensores DX em relação aos FX.

Dê um novo visual ao Inkscape e ao Gimp

Por muito tempo hesitei em mudar do consagrado Fireworks 8 para o Inkscape. Primeiro, devido a preguiça mesmo, segundo, devido a um apelo visual mais chamativo, além dos filtros e efeitos prontos que o FW traz e o Inkscape não, mas caí na real que as duas ferramentas são voltadas para áreas diferentes. Então, parti para o “vamos ver”. Não sei mais viver sem o Inkscape (tá, exagerei, mas vocês me entenderam).

Para quem não conhece, o Inkscape é Continuar lendo Dê um novo visual ao Inkscape e ao Gimp

Instale e execute o Mac OS em uma VM VirtualBox

Em 9 de Abril de 2009, publiquei aqui (quando esse blog ainda se chamava “O Pirata Digital”) um dos artigos que está até hoje entre os cinco mais acessados. “Tutorial: Como instalar um Mac OS X em um VMWare” instiga até hoje o público a testar esse excelente sistema.

Mais de quatro anos depois, estou trazendo um tutorial ensinando como instalar o sistema da maçã em uma máquina virtual VirtualBox. Antes de mais nada Continuar lendo Instale e execute o Mac OS em uma VM VirtualBox

Monte seu PC com configurações de XBOX ONE

Quer aproveitar o melhor dos games e não comprar um videogame da próxima geração? Prepare-se para colocar a mão no bolso!

Montar um computador não é barato, ainda mais em nosso país, mas se levarmos em consideração as vantagens de um PC sobre um videogame, é inegável que um PC poderá trazer muito mais vantagens.

Corremos atrás das especificações técnicas dos próximos consoles da Microsoft e da Sony e vamos Continuar lendo Monte seu PC com configurações de XBOX ONE

Formatar o PC nem sempre é a melhor opção

A quantidade de pessoas que possuem computador em casa cresceu de forma monstruosa nos últimos anos. Na mesma proporção, cresceu a quantidade de “técnicos em informática” prontos para destruir todos os dados de seu computador e zerar a instalação do Windows por qualquer “trinta real”, mas é realmente necessário formatar um computador ou notebook por causa de lentidão ou vírus?

O caminho mais fácil

É muito comum encontrar em pontos de ônibus, folhas A4 com a divulgação deste tipo de trabalho. Realmente, muita gente acha que a maioria dos problemas de um PC será resolvida com uma formatação, mas algumas vezes, uma formatação feita por um profissional meia-boca pode substituir dois problemas por meia dúzia.

Qualquer problema que houver na instalação de um sistema operacional pode ser resolvido com uma reinstalação do mesmo. O HD é apagado (o que não é verdade), o sistema é reescrito no disco e o cliente perde todas as imagens, músicas, vídeos e documentos que houver no computador, mas o que pouca gente presta atenção é no pós-instalação. Já cansei de pegar notebooks e desktops de amigos que foram formatados por técnicos de garagem e sair procurando drivers de vídeo, áudio, rede e outros que esses mesmos “profissionais” deveriam ter instalado logo após a formatação.

O cliente nem sempre sabe o que é melhor nesses casos. Para ele, desde que a formatação resolva o problema da lentidão, tá valendo, mesmo se tiver de sacrificar alguns arquivos pessoais. Cabe ao verdadeiro técnico mostrar para o cliente que não é sempre formatando que se resolve o problema. Na maioria dos casos (70%), alguns simples ajustes no sistema podem fazer com que ele se comporte como se tivesse acabado de ser instalado.

O caminho correto

Em primeiro lugar, deve-se recorrer ao MSCONFIG, ferramenta que permite habilitar e desabilitar programas que inicializam junto com o sistema. Isso porque ao longo do uso do sistema, o cliente invariavelmente irá instalar uma enorme quantidade programas. A maioria desses programas quer garantir seu espaço na inicialização do sistema, sendo carregados logo após o login no Windows, o que é péssimo, pois nem sempre o cliente irá utilizar o programa, mas ele irá ocupar espaço na memória RAM e também consumir recursos do processador.

Comofas?

Simples. Memorize ou anote os programas essenciais para o funcionamento do Windows, assim como drivers. Antivírus também é recomendado que seja inicializado junto com o sistema. O resto, TODO O RESTO, pode ser desmarcado.

Abra o aplicativo msconfig procurando-o no campo de busca do Windows e localize a aba “Inicialização de programas”. No exemplo da imagem abaixo, vemos que apenas o essencial para que o Windows na máquina virtual funcione. O Skype está desabilitado da inicialização porque só quero que ele inicialize quando eu for utilizar.

msconfig

Feito o passo acima, reinicialize o computador e você já sentirá uma enorme diferença. O próximo passo é desinstalar programas inúteis, como barras de busca de navegadores, aplicativos de downloads, como o ARES e tudo aquilo que o cliente considerar essencial. Lembre-se: para quem queria uma formatação, nada ali será essencial, então, cabe a você também tomar boa parte dessas decisões. Programas como leitores de PDF, pacotes de codecs, leitores de vídeo, suites de escritórios, programas Oracle e Microsoft podem (e devem) ser mantidos para que a experiência de uso do cliente não seja reduzida.

para quem queria uma formatação, nada ali será essencial, então, cabe a você também tomar boa parte dessas decisões.

Uma forma de selecionar quais programas manter é verificar o editor do aplicativo na tela de desinstalação (Painel de Controle > Programas > Desinstalar um programa).

Painel

75% dos passos estão prontos e uma enorme diferença será sentida no uso do sistema. Pergunte ao cliente o que existe no computador que pode ser excluído (verifique a pasta de downloads. Normalmente ela estará lotada de coisas que o cliente copiou para outros lugares e esqueceu de apagar).

Se o cliente for usuário do navegador Google Chrome, existe uma enorme possibilidade de ter algumas extensões inúteis, do tipo que só servem para mostrar publicidade quando não o cliente não quer ver publicidade. Desinstale-as através do caminho Configurações > Extensões > Desinstalar. Reinicialize o computador.

Chrome

Quase pronto! O próximo passo é essencial. O toque de mestre.

Pouca gente sabe que o Windows possui uma excelente ferramenta de diagnóstico e melhora de desempenho – o Desfragmentador.

É normal ao longo do uso do computador – com Windows, vale lembrar – arquivos ficarem fragmentados pelo disco rígido. Ao abri-los, o sistema precisa buscar na tabela de alocação de arquivos os setores que o arquivo está armazenado no HD, montá-lo e carregar na memória RAM. Se o arquivo estiver fragmentado, esse processo poderá ser mais demorado do que deveria.

Para utilizar essa ferramenta, acesse a pasta “Computador” (Meu computador para Windows XP), clique no ícone do HD (Disco Local C e/ou Disco Local D) com o botão direito do mouse e selecione a opção “Propriedades” e selecione a aba “Ferramentas”.

Propriedades

Em seguida, clique no botão “Desfragmentar agora”. A próxima janela a se abrir irá mostrar os discos locais. Selecione o HD que contém a instalação do Windows e clique no botão “Desfragmentar agora”.

Defrag

O processo poderá tomar bastante tempo entre análise, mover arquivos e consolidação. Tenha a certeza de que o sistema finalize o processo. Se desejar, pode repetir a desfragmentação mais uma vez para que o sistema faça um trabalho mais consistente, no entanto, apenas uma desfragmentação já é suficiente.

Pronto! O sistema irá parecer que foi formatado e estará pronto para o cliente bagunçar todo o computador novamente :)

Considerações finais

Este tipo de trabalho, por preservar os arquivos do cliente e ainda manter a maioria dos programas essenciais, tomar mais tempo e garantir a comodidade do cliente não precisar reinstalar os programas que ele mais utiliza, pode até ser cobrado mais do que uma “formataçãozinha” de 30 reais. Mostra que você sabe o que faz e ainda garante a satisfação do cliente.

E você? O que achou das dicas? Tem algo a compartilhar conosco?

Jogue games de arcade no seu Ubuntu com o MAME

Hoje postei uma foto de meu Ubuntu 12.04 (sim, às vezes sou meio “conservador”) rodando o emulador MAME, que permite rodar games de arcades (conhecidos por essas bandas como “fliperama”) no computador e alguns seguidores ficaram animadas com essa façanha.

Algumas pessoas ainda acham que isso é coisa do Windows e que não conseguem fazer isso em seu sistema baseado em Linux, como o Ubuntu, por isso, resolvi compartilhar de forma rápida a maneira de se instalar o MAME e jogar no seu Ubuntu os arcades mais animais que existem, como os da NEOGEO, CPS1 e CPS2 (Capcom System Play).

Primeiro, esse tuto pode parecer difícil pelo uso do Terminal, mas não se assuste, afinal, o Terminal é um caminho muito mais rápido de se conseguir instalar um aplicativo ou executar alguma ação.

mame03
Marvel vs. Capcom rodando no MAME e Ubuntu 12.04

Abra o painel (Dashboard) do Ubuntu e digite no campo de busca “Terminal”, ou então, utilize o atalho CTRL+T.
Em seguida, digite (ou copie aqui e cole com o botão direito do mouse no Terminal) o seguinte comando:

sudo apt-get install mame mame-tools sdlmame sdlmame-tools

Será solicitada a senha do administrador do sistema. Digite-a e aguarde a instalação concluir (não se preocupe se ao digitar a senha, nada aparecer na tela. Apenas digite-a e pressione a tecla Enter e o processo será iniciado).

Concluída a instalação dos pacotes, ainda no Terminal, digite o seguinte comando:

mame -cc

Este comando irá criar o arquivo de configuração do MAME. Em seguida, acesse sua Pasta pessoal (o diretório que contém as pastas Música, Imagens, Documentos, etc), segure a tecla CTRL e pressione a tecla H. Isso fará com que os diretórios ocultos do sistema sejam exibidos. Localize e abra a pasta .mame.

Diretório .mame
Diretório .mame

Dentro da pasta .mame, crie os seguintes diretórios:

  • nvram
  • memcard
  • inp
  • sta
  • snap
  • diff
  • comments

Caso você prefira continuar no terminal, pode acessar a pasta .mame através do comando ~/.mame e então criar cada diretório listado acima com o comando mkdir (exemplo: mkdir nvram memcard inp sta snap diff comments).

Quase pronto. Agora escolha um local para armazenar suas roms (os arquivos que contém o jogo). Pode ser criando uma pasta chamada roms dentro de sua pasta pessoal. Após escolhida ou criada a pasta de roms, acesse o diretório .mame e edite o arquivo mame.ini com o Gedit. Adcione na linha rompath o caminho da pasta em que serão armazenadas as roms. Por exemplo, /home/kadu/roms. Veja o exemplo:

mame2

Pronto! Seu MAME está instalado e configurado. Agora, para utilizá-lo, basta chamá-lo pelo Terminal apenas digitando “mame” (sem aspas) e curtir, mas antes, veja algumas informações adicionais:

* Alguns jogos requerem a instalação da BIOS referente a placa original do game, como os games da NEOGEO (TKOF, Garou, etc). Você pode procurar no Google e encontrar pacotes contendo todas as principais BIOS utilizadas. O pacote mais completo e atualizado que eu encontrei foi o bios0.146.zip.

* Descompacte as BIOS que você precisar na raiz do diretório que irá conter suas roms.

* Nem todas as roms que você encontrar por aí poderão funcionar de forma satisfatória, mas vale à pena a busca.

* Você poderá configurar os controles de cada jogo após inicializá-lo. Para isso, após escolher a rom desejada dentro do emulador MAME, aguarde o jogo carregar, pressione a tecla TAB e selecione “Input (this game)” e configure seu controle conforme desejar.

Apresentamos um parceiro de peso na Comunidade Linux

//
//

A comunidade em torno do Linux é uma das mais amplas da internet, assim como a comunidade Ubuntu é uma das maiores do mundo.
Diariamente, são milhares de artigos publicados ao redor do mundo, ensinando como fazer o seu Linux ficar mais fácil, ficar mais a sua cara, ou ainda, tornar-se uma caixa preta onde cada descoberta é um novo aprendizado.

Diolinux

Sites como o Diolinux têm tornado a vida das pessoas interessadas no sistema muito mais fácil. Artigos do tipo “Como instalar o Cinnamon no Ubuntu” dão às pessoas que gostam de utilizar sua liberdade de escolha ao nível Master!

O Diolinux é o nosso novo parceiro na comunidade e nas redes sociais. Tentaremos trazer conteúdo relevante e relacionado para tornar sua experiência muito mais interessante, e o Diolinux vai além, trazendo informações sobre Android, Linux Mint, dicas para outras distros e ainda possui uma seção de downloads.

Confira o material do novo parceiro OrgulhoGeek e faça parte você também dessa extensa e maravilhosa comunidade.

Instale o gerenciador de arquivos Marlin no Ubuntu

Um sistema vem sendo desenvolvido há alguns meses e já foi tema de assunto neste blog. Trata-se do Elementary OS, que nasceu da ideia de ícones mais bonitos para usar no GNOME, começou a ganhar uma gama de aplicativos novos e está para se tornar um grande competidor do Ubuntu no Desktop.

Dentre os aplicativos em desenvolvimento para o Marlin, um dos destaques é o gerenciador de arquivos “Marlin”, que, devido aos recursos e visual aprimorado em relação ao Nautilus, pode em pouquíssimo tempo vir por padrão em algumas distros além do Elementary OS.

Com uma navegação similar ao Finder, do Mac OS, o Marlin traz, além de beleza e um frescor ao Desktop Linux, possui características interessantes, como as “labels”, uma forma de marcar um arquivo ou pasta com determinada cor, fazendo-o destacar-se dos demais. Continuar lendo Instale o gerenciador de arquivos Marlin no Ubuntu

Deixe seu Ubuntu mais bonito com o tema Elementary

O Ubuntu trouxe em sua última edição, o 10.04 LTS um tema realmente mais bonito que o anterior e isso refletiu em milhares de novos usuários, incluindo eu nesta lista, mas ainda assim, fica aquele gosto de que ele poderia ter seu visual um pouco mais refinado e é isso que o tema de uma outra versão do Linux, o Elementary OS faz com o Ubuntu…o deixa mais bonito e agradável.

Para quem não sabe sobre o Elementary OS, ele é uma versão do Linux que começou com apenas um ícone de pasta azul. Foi crescendo, ganhando novos ícones, temas e hoje é (em minha opinião) o tema mais bonito disponível para GNOME.

O site Ubuntued compilou alguns excelentes tutoriais de customização do Ubuntu que de tão bons, seria desumano e desrespeitoso se eu os reproduzisse aqui, porém, fiz melhor, coloquei os links para as melhores e principais modificações do Ubuntu envolvendo o tema Elementary no site Ubuntued e alguma melhoria no tema com a dica do europeu OMG! Ubuntu, assim, você deixa seu Ubuntu mais bonito e ainda conhece excelentes opções de informações sobre melhorias de seu Linux preferido.

Vamos às imagens do tema:

Primeiro, o tema GTK, você deverá seguir este tutorial para instalar todo o tema do Elementary. Porém, ao invés de usar o tema GTK que instala-se com o pacote do tutorial, você pode usar o tema que está disponível neste endereço e que traz novas barras de rolagens e correção de alguns bugs, entretanto, este tema utiliza três engines de temas, duas presentes no Ubuntu por padrão; Murrine e Aurora e a terceira, Equinox, pode ser instalada através da central de programas (gtk2-engines-equinox).

O widget que mostra a capa do CD e o artista no desktop é o CoverGloobus e este tutorial pode ajudá-lo a instalar e aproveitar esta maravilhosa função.

Já o ícone do menu principal do Ubuntu, que integra dentro de si os menus Aplicativos, Locais e Sistema pode ser modificado usando este tutorial muito bem explicado.

No final, seu Ubuntu estará mais lindo que tudo, inclusive o OS X.

Aproveite que você gostou dos tutoriais bem explicados destes sites e deixe um comentário…eles irão adorar!

Ubuntu: Instalando repositório Mebiduntu

O repositório Medibuntu, assim como o pacote “Restricted extras”, por motivos de proteção de patentes em alguns países, não é oficialmente reconhecido pela Canonical, por isso, não vem como um repositório de programas padrão do Ubuntu, sendo necessário incluí-lo manualmente nos repositórios.

Medibuntu (Multimedia, Enterteinment & Distractions in Ubuntu) é um pacote que contém as bibliotecas de arquivos essenciais para a correta execução de DVDs no Ubuntu, como por exemplo, o acesso aos menus dos DVDs. Sem este pacote, não é possível rodar DVDs protegidos em seu computador.

Primeiro vamos adicionar o repositório Medibuntu: Acesse o menu Sistema > Administração > Gerenciador de pacotes Synaptic. Sua senha de administrador será solicitada.

Na janela do Synaptic, selecione nos menus suspensos Configuração > Repositórios e na aba “Programas do Ubuntu” marque as opções como na imagem a seguir:

Configurados os servidores, clique na aba “Outro software”.

Clique no botão “Adicionar…” uma caixa de dialogo ira solicitar a linha do APT. No campo de texto entre com a seguinte linha:

deb http://packages.medibuntu.org/ lucid free non-free

Após entrar com o endereço do repositório, clique no botão “Adicionar Canal”, feche a janela de configuração de repositórios e será solicitado que você atualize os repositórios. Feche a caixa de diálogo e clique em “Recarregar” para que seja atualizada a lista de servidores de software.


Após atualizar, simplesmente feche o Synaptic.

Depois de configurar o repositório, devemos autenticá-lo no sistema. Será necessário usar o terminal, mas não se preocupe, será rápido e fácil.

Abra o terminal no menu Aplicativos > Acessórios > Terminal.

Digite o seguinte comando:

sudo apt-get install medibuntu-keyring

Será solicitada a senha de administrador, a mesma que você configurou na instalação do sistema. Entre com a senha e tecle Enter. O terminal irá perguntar se você deseja instalar os pcotes sem verificação. Digite apenas S e pressione Enter.

Depois de intalado o keyring do medibuntu, atualize os repositórios com o seguinte comando:

sudo apt-get update

Depois de instalada a chave e feito o update, digite exit para fechar o terminal

Pronto. O repositório Medibuntu está inserido e atualizado no sistema. Agora vamos instalar os pacotes necessários para a correta exibição de DVDs.

Abra a Central de Programas do Ubuntu (Aplicativos > Central de Programas do Ubuntu) e no campo de busca de propgramas localizado na parte superior direita da janela digite “libdvdcss2” (sem aspas). Irá aparecer na janela abaixo.

Clique em “Instalar”.

Procure e instale também os pacotes FAAC e FAAD

——————————————————————————————————-

Este artigo é um dos tópicos que estarão presentes na segunda edição do livro “Ubuntu – Guia do Iniciante”.

Livro “Ubuntu – Guia do Iniciante” finalizado

Tela_Livro O livro que venho escrevendo sobre Ubuntu, voltado para iniciantes no sistema ou quem nunca usou um computador com Ubuntu (ou Linux) já está pronto. Após contatos com as principais editoras do ramo, editora Campus, Editora Cengage Learning, Editora Formar, de Vitória – ES e editora Érica (a editora Érica recusou o trabalho. Segundo a responsável pelo setor de “Autores”, Rosana Arruda, me enviar o e-mail informando que não havia interesse em meu projeto de livro e meu posterior questionamento da possiblidade de adequação do material do livro com os requisitos da editora, ela simplesmente me respondeu com a seguinte frase: “Não há alterações especificamente, o assunto no momento não há interesse”, então, galera Linuxeira do Pinguim, já sabemos de qual editora NÃO comprar livros, pois NOSSO assunto não interessa a ela).

Nesta noite fui dormir depois das 4hs da madrugada para finalizar o 8º e último capitulo do Livro e fazendo um sumário decente. Já está pronto, aguardando apenas o prefácio, que será escrito pelo prof. João Fernando, editor chefe da Revista Espírito Livre.

Para os blogs que estão apoiando a iniciativa, muito obrigado!

Para as pessoas que estão colaborando com dicas e no tete-a-tete, que são elas:

Meu muito obrigado à todos vocês!

Livro Ubuntu – Guia do Iniciante está quase pronto

Ubuntu_Capa_A5_2  O livro Ubuntu – Guia do Iniciante terá como objetivo ensinar aos novos usuários os principais comandos, tarefas básicas e intermediárias do sistema operacional Ubuntu, como por exemplo instalação de programas, uso de ferramentas de criação e multimidia.
A primeira obra do tipo no mercado nacional sobre Ubuntu, que é baseado em Linux e software livre, abordando como tema central a nova versão do Ubuntu a ser lançada no dia 29/04, o Ubuntu Lucid Lynx 10.04.
O Ubuntu é a versão do Linux que mais atrai usuários de outras plataformas, seja pela gratuidade do sistema, pela segurança ou pela comodidade.
Fungindo dos jargões técnicos e com uma linguagem fácil, clara e acessível, o livro Ubuntu – Guia do Iniciante é a escolha certa para quem quer entrar e conhecer o que há de melhor no Linux e no Ubuntu.

 

Veja abaixo os capítulos que virão no livro:

Capítulo 1: Afinal, não é como aprender a andar outra vez…
Apresentação do Ubuntu e suas funções

Capítulo 2: Instalação do Ubuntu
Passo-a-passo da instalação do Ubuntu

Capítulo 3: Ajustes Visuais
Tornando o Ubuntu mais bonito ainda

Capítulo 4: Converse, veja, baixe e curta o melhor da Web
Programas de Internet e compartilhamento

Capítulo 5: Melhorias em Multimídia
Instale Codecs e assista aos DVDs, vídeos e MP3

Capítulo 6: Abrindo Novos Horizontes
Conheça novos programas que fazem tudo o que você precisa no Ubuntu

Capítulo 7: Instalação de Programas Windows no Ubuntu
Use o melhor que há do outro lado

Capítulo 8: Virtualizando um sistema
Tenha um Windows ou outro Linux dentro do seu Ubuntu

Em fase final de edição, “Ubuntu – Guia do Iniciante” estará disponível à partir do dia 29 de Abril, juntamente com a versão 10.04 do Ubuntu Lucid Lynx.

A data prevista para o lançamento do livro é 29 de Abril.